Na nossa viagem de janeiro nos hospedamos no Pop Century no complexo Walt Disney World Resort.

Dividimos nossa hospedagem na última viagem entre o complexo Universal, ficando no Royal Pacific e no Pop Century. Adorei a experiência e achei que será minha forma de visitar Orlando daqui para frente.

O Pop Century é parte dos hotéis de categoria econômica da Disney, com temática voltada aos anos 50 – 90 (os anos pop).

Ele está todo reformado, o que é muito bom pois os quartos não têm mais carpetes.

O complexo é enorme, conta com diversos blocos, e a depender do quarto que você pega acaba ficando longe da recepção – nada demais, mas não é pertinho como no Royal Pacific. Aliás, nem os parques ficam perto… O complexo Disney é gigantesco, e chegar nos parques requer uns bons minutos no transporte.

O Pop, como todos os hotéis, conta com transporte gratuito para os parques e para o Disney Springs.

Outros benefícios dos hóspedes: estacionamento gratuito nos parques e o melhor de todos: fast pass marcado com 60 dias de antecedência – não hóspedes marcam com 30 dias! Aliás, esse é o benefício que me fez, dessa vez, optar pela hospedagem no complexo e achei que valeu a pena demais! Só assim deu para ir nas atrações mais concorridas, como o Flight of Passage (Avatar), que estava com 180 minutos de fila quando fomos!

Uma desvantagem: os hotéis do complexo agora cobram por estacionamento. Ainda assim, acho que vale a pena.

Uma informação importante na hora de definir sua hospedagem: os benefícios para os hóspedes citados acima são, por enquanto, os mesmos para todos os hotéis do complexo. Então, se o orçamento estiver apertado e você achar que vai ficar bastante tempo fora, talvez valha a pena ficar nos hotéis de categoria econômica.

No bloco de recepção, com temática toda da cultura pop, você conta com lojas e lanchonetes.

Os hóspedes que optam pelo plano de refeições ganham uma caneca que dá direito a refil ilimitado de refrigerante, chá e café nas praças de alimentação dos hotéis da Disney – não funciona nos parques. Você escolhe a cor, e é mais uma recordação bacana e útil que você traz dos parques.

Esse preço na foto acima é para compra, independente do Dining Plan.

O quarto conta com duas camas, sendo uma retrátil, que se transforma numa mesa. Se houver só dois hóspedes, o quarto fica ainda mais espaçoso.

Sob a cama cabem tranquilamente as malas. Eu, que dessa vez levei uma fita métrica para medir a cabine do cruzeiro, acabei medindo sob a cama também: 36 cm de altura.

O quarto é muito funcional, e conseguimos acomodar nossas roupas para uma semana com tranquilidade. O banheiro ainda tem banheira, e para tristeza dos hóspedes – que adoravam levar os kits de lembrança – agora o shampoo, condicionador e sabonete ficam fixos na parede. Aliás, ficam fixos de um jeito que achei bem ruim. Acabei usando um sabonete nosso mesmo, pois o achei a bomba do sabonete bem fraquinha.

Ainda tem um frigobar pequeno, uma cômoda com três gavetas grandes, ferro e tábua de passar, cofre, secador de cabelo. O banheiro conta com varal retrátil no box – acho super útil! Inclusive, o nosso estava quebrado no primeiro dia, mas foram consertar a nosso pedido e ainda deixam um bilhetinho bonitinho!

Nos corredores, ainda há máquina de refrigerante (paga) e máquina de gelo.

O Pop Century é um hotel muito procurado, especialmente porque está todo reformado e por contar com os benefícios já postos aqui. Então, alguns choques de realidade também precisam ser dados, para ninguém ir iludido, rssss:

  • A depender do horário, a área de lanches fica lotada!!!! Sério! Dava até desânimo! Notamos essa “lotação” especialmente na volta dos parques.
  • A depender do dia e da sua sorte, você pega sim filas no transporte… Isso aconteceu conosco nos primeiros dias, o que nos fez optar por alugar um carro. A facilidade é que há uma Alamo dentro do complexo Disney, e você agenda para eles buscarem no hotel, facilitando a vida.
  • Se você opta por uma refeição em outro hotel, como fizemos com a Story Book Dining at Artist Point, é preciso fazer baldeação para sair de um hotel e chegar no outro, uma vez que não há transporte direto entre hotéis. Na ida, tudo é festa. Na volta, no nosso caso, estava tarde e frio, e levamos quase uma hora para sair do restaurante e chegar no hotel – tivemos que sair do hotel da refeição, ir para o Disney Springs e de lá voltar para o Pop. Só não foi pior porque o mesmo ônibus que nos levou até o Disney Springs foi para o Pop e a motorista nos disse para ficar. Se tivéssemos que descer, ainda esperaríamos pelo menos mais uns dois ônibus, pelo tamanho da fila… Foi mais uma das experiências que nos fez querer alugar um carro. Nota: você pode chamar um Uber ou uma Minnie Van, só que esta última custa USD 25… Se a ideia é economizar, talvez não valha a pena, né?

Mas, depois do choque de realidade, vêm as coisas boas:

  • Com as atrações dos parques cada vez mais disputadas, a sua grande a chance de conseguir marcar os fast passes para as mais concorridas é mesmo utilizando o benefício dos 60 dias de antecedência. Aliás, isso é um grande diferencial! No nosso caso, conseguimos ir ao Avatar, à montanha-russa dos anões, ao Frozen, ao Soarin… tudo por conta do fast pass agendado no dia em que abriu o prazo para hóspedes.
  • Optamos pelo plano de refeições, o que nos permitiu usar e abusar de refeições com personagens e comidas legais.
  • As lanchonetes do hotel todas contam como lanche no Disney Dining Plan. Havia opções como pizzas, sanduíches, pratos um pouco mais elaborados e várias geladeiras com opções frias. Em alguns dias pegamos sanduíches frios à noite e levamos para consumir como café da manhã no dia seguinte. Em outros dias, lanchamos na praça de alimentação mesmo. Vimos que o pior horário era mesmo à noite! Optamos também por fazer, às vezes, refeições nos parques, para evitar a praça de alimentação.
  • Os hóspedes ganham a Magic Band, e podem escolher a cor.

  • Também ganham etiquetas de mala, fofas, para quem adora um brinde como eu é uma recordação querida.

Valeu a pena ficar no Pop? Claro que sim! Ficaria de novo? Claro que sim! Mas se for ficar de novo no complexo Disney, penso em explorar os irmãos econômicos, tais como o Movies que já está também em processo de reforma.

Uma novidade – que ainda não sei se vai impactar ainda mais a lotação do Pop: de lá sairá o Skyliner, as novas “gôndolas” de transporte que levará hóspedes ao Epcot e ao Hollywood Studios. Será um sistema de transporte alternativo, mas acho que o reflexo em lotação só saberemos quando o teleférico estiver em pleno funcionamento.

Eu gostei muito da nossa estadia, e acho que optaria por um hotel mais caro se fosse aproveitar piscinas e estrutura – não foi o nosso caso pois pegamos bastante frio.

Mas a hospedagem no complexo foi tudo que eu pensava! Foi minha primeira vez e pretendo sempre me hospedar dessa forma: mezzo Disney, mezzo Universal!

Deixo a seguir mais algumas fotinhos para vocês curtirem !

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *