Disney · EUA

E os mais velhos na Disney???

Sempre buscando algo diferente e que seja útil, tive um estalo outro dia: por que sempre pensamos nas facilidades e comodidades em Orlando somente para viagem com crianças? 
A resposta óbvia é que os parques são lugares para os pequenos… 
Bom, se você falar com os “Disneymaníacos” vai ver que essa afirmação é falsa! E mais: vai descobrir que muita gente – inclusive essa que escreve – já foi para a Disney sem levar criança nenhuma… E foi bom, viu!
Mas qual é a desse post?

Pensando que essa minha mania-paixão-cisma-seiláoque por Orlando vai continuar, me imagino velhinha na cidade, levando meus netos quando minha filha estiver ocupada demais trabalhando… Ou indo só porque gosto e acho que gostarei para sempre…

Vovó padrão Disney: aos 84 anos correndo a meia-maratona da Tinker Bell…
Invejei! Fonte: aqui

E quais as necessidades x funcionalidades x cuidados x facilidades para os da melhor idade em Orlando?
Bom, se a pessoa for serelepe, os cuidados serão os mesmos: protetor solar e bonés para encarar as horas de passeio. Manter a hidratação! Fazer reservas para refeições especiais, como aquele restaurante bacana ou mesmo refeição com personagens. Usar sapatos bem confortáveis, pois a andança é muita. Evitar as épocas de lotação máxima e tentar, dentro do possível, frequentar o parque nos horários de temperatura (e lotação) mais amena, como de manhã ou mais ao entardecer…

Mas e se o corpo já não estiver mais acompanhando a cabeça? 

Bom, na Disney há o serviço de locação de cadeiras de rodas, e de acordo com o site – aqui– funciona assim (valores pesquisados em 26/06/2015):

  • Nos parques: diária de USD12 dólares ou USD10 por dia para mais de uma diária (valores pré-pagos);
  • Downtown Disney: Diária de USD12 com depósito de caução de USD100 (devolvidos no retorno do equipamento);
  • Nos hotéis: cortesia, mas há uma limitação de cadeiras disponíveis. E também há um depósito de caução de USD315 dólares, também devolvidos na entrega da cadeira (mas paga-se uma vez só, basta apresentar o recibo). 
Observações: 
  • As diárias pré-pagas geram um recibo que você apresenta no parque para retirar a cadeira. 
  • Pode ser que não ofereçam as diárias pré-pagas em períodos de alta lotação;
  • MUITO IMPORTANTE: você não pode levar uma cadeira de um parque para outro! Se for fazer mais de um parque num dia, é preciso devolver a cadeira no primeiro e no segundo parque retirar uma outra cadeira. 
Mas a pessoa é mais chique e quer mais conforto… Então, a opção é alugar um Electric Conveyance Vehicle – ECV… Quem já foi certamente viu muita gente andando numa “motinho”… Também são alugadas, e as condições são as seguintes:
  • Diária nos parques: USD50 mais USD20 de depósito de garantia (devolvidos ao final)
  • Downtown Disney: USD 50 mais USD100 de depósito de garantia (devolvidos ao final)
Também nesse caso não pode passear com a motinho de um parque para outro: você tem que devolver na localidade em que alugou. Se fizer mais de um parque por dia, devolva onde locou e apresente no parque seguinte o recibo de que já pagou a diária para uso naquela data. 
 
Ah, e tem que ter mais de 18 anos para usar o ECV… Necessário apresentar identidade. 
 
Com relação à hospedagem: buscar hotéis que tenham elevador ou andares térreos; solicitar que se possível os quartos sejam próximos dos elevadores. 
Normalmente, os quartos já são acessíveis – com barras nos boxes do banheiro, por exemplo. De qualquer modo, sempre bom checar ANTES de fazer a reserva se a acomodação é compatível com as necessidades de quem vai se hospedar. 
 
Se for dirigir, ver as políticas de locação de carros. O Rentalcars, por exemplo, avisa que há regras diferentes para motoristas abaixo de 25 anos e acima de 70. Sempre bom ver as taxas que incidem para não levar susto. 
 
Fazer o seguro saúde: acho que todo mundo que viaja faz, mas sempre bom ter cuidado dobrado com o pessoal nos extremos da idade – os muito novinhos e os que já não são mais novinhos… Avalie as propostas e coberturas do seguro e faça mesmo! Não viaje sem uma boa cobertura. Já soube de casos em que no último dia foi necessário realizar um procedimento médico e que se não fosse o seguro teria custado os olhos da cara. Uma excelente dica que vi no blog da Andreza é sobre atendimento médico em unidades do Walmart. Nesse post aqui ela fala da experiência de uma leitora que utilizou – e gostou! Talvez seja uma opção de atendimento, mas concordo com ela: nunca abra mão do seguro! 

Medicação: avalie os remédios que precisa levar e leve em quantidade. Sempre numa bolsa de mão, pois se a mala extraviar o problema está posto. Coisas importantes vão na mala de mão. Leve também as receitas relativas à medicação que está carregando, para evitar problemas com imigração. 

A coisa apertou e a emoção foi demais? Deu “crash” no coração? Os parques contam com desfibriladores em diversos pontos… Aqui você vê onde se localizam! Sempre bom orientar as pessoas para procurar funcionários em caso de emergência. Eles são treinados para acionar os procedimentos de segurança. 
 
Mas não foi nada tão grave e você precisa apenas daquela aspirina que ficou no hotel ou um curativo para aquela bolha que resolveu aparecer? Os parques contam com atendimento de primeiros socorros, e os endereços você encontra nesse link aqui. Sempre bom saber que esses serviços são oferecidos e funcionam bem! Assim, na hora que precisar, basta perguntar a algum funcionário para onde se dirigir para encontrar os centros de atendimento. 

Com relação às atrações, há questões de mobilidade e de possibilidade de acesso. 

Mobilidade: Nesse link aqui, há a relação de atrações e suas formas de acesso, que são de acordo com a figura abaixo (que tirei da mesma página):

Formas de acesso aos brinquedos – fonte: aqui

Algumas atrações você poderá ir na própria cadeira de rodas; outras requererão que a pessoa ande… Outras questões de acessibilidade podem ser conferidas aqui. E também, ao chegar nos parques, se houver problemas que impeçam a pessoa de esperar por longos tempos nas filas, uma opção é ir ao Guest Relations e procurar o DAS – Disability Access Service; esse serviço tenta organizar o dia da pessoa para que ela agende a visita aos brinquedos, de modo a evitar que ela fique na fila quando é incapaz de tolerar a espera. 

Além disso, há atrações com restrições: cardíacos, por exemplo, nunca são incentivados a ir nas atrações mais radicais. No site da Disney, em cada atração você encontra indicações de restrições, como essa na Big Thunder Mountain Railroad:

“WARNING! For safety, you should be in good health and free from high blood pressure, heart, back or neck problems, motion sickness, or other conditions that could be aggravated by this adventure. Expectant mothers should not ride.” (tradução livre: Aviso: por segurança, você deve estar em bom estado de saúde, sem problemas de pressão alta e cardíacos, dores no pescoço e coluna, enjôos ou outra condição que possa ser agravada por esta aventura. Grávidas não devem ir na atração). 

Com relação à alimentação: se uma dieta especial for necessária, sempre bom entrar em contato para informar das restrições como já falei aqui. Além disso, abastecer a hospedagem com alimentos permitidos é uma forma de minimizar esse problema. Mercado scomo Walmart e Target possuem de tudo um pouco; além desses, o Whole Foods é um mercado com uma proposta de alimentação saudável. Veja os endereços no post com endereços para por no GPS – super utilidade – aqui

Se o viajante mais experiente não souber falar inglês, que tal apelar para as identificações? No post com dicas para identificar crianças há algumas sugestões que podem ajudar também.

Importante: Acho legal ter em inglês, junto à documentação da pessoa, uma lista da medicação que ela faz uso, a relação de alergias (se houver) e qualquer outra particularidade (uso de marca-passo, por exemplo). Sei que parece um pouco de exagero, mas é sempre bom tentar esgotar as possibilidades, e tornar a viagem segura para todas as idades. 

Bom, que me lembro – de pronto – é isso! Mais alguma coisa? Aceito sugestões!

Se houve alguma experiência interessante com alguém da família, por favor, divida com a gente! Sempre bom enriquecer os relatos com os casos reais!

Mas acho que com todos esses cuidados, basta arrumar as malas e ir curtir a temporada de férias!



 
 



2 comentários em “E os mais velhos na Disney???

  1. Isso mesmo! Tenho uma avó que já foi mais à Disney que eu! S2 Lá é muito perfeito para terceira idade (tanto que é comum aposentados se mudarem para lá). Quanto à medicação, ela já levou tudo organizado naqueles compartimentos para pílulas. Meu tio acrescentou um adesivo com identificação para sabermos o que era em jejum, ou após o café da manhã, junto com o almoço, com a janta, antes de dormir. Também levamos as embalagens originais e comprimidos a mais para emergência (e um deles foi necessário). Dependendo do que a pessoa toma, acho sim válida a sua dica de levar a receita em inglês com tradução certificada. Nunca se sabe, não é mesmo? Mas tenho uma prima que ficou doente, foi para o hospital (com tudo coberto pelo seguro saúde) e pegou a receita para o remédio que precisou. Nem me lembro o que ela teve, mas me recordo que foi tudo muito tranquilo e receptivo. Sabe o esquema de cadeira de rodas e ECV? É tb muito organizado e eles não ficam de molho. A família (claro) também é poupada da fila. Além dos turistas, há, inclusive, um programa de empregabilidade para os idosos. Legal, né? Dass vezes que fui melhor atendida, nos caias estavam os idosos =) Disney não é só para crianças! Acho que quando grandes aproveitamos bem mais. 😉 Parabéns pelo blog e pelas postagens sempre perfeitas.

  2. Isabel, obrigada pelos comentários!!! Esse especificamente ajuda bastante, pois agrega ao que já tinha falado!!! E concordo com você: eles sabem cuidar dos mais velhos, dos que têm necessidades especiais… Enfim, lugar de sonhos mesmo! Meu sonho é fazer o que você disse: me aposentar e ir pra lá… Sabe, vou ser aquela velhinha que fica perguntando 'how many in your party? Roll number 2″, kkkk! Já me vejo fazendo isso!!!!!!!!

Deixe uma resposta